Dona Zica

Jura que vai levar a sério?

Era só o que me faltava 17 de agosto de 2010

Filed under: Brincando de Casinha,Zica — Dona Zica @ 17:33

Alguém faz o favor de avisar a administradora do colégio que fica na minha rua que a dita cuja (a rua, não a administradora) é PÚBLICA, portanto eles não podem deixar um recado no meu parabrisa (tem hífen?) pedindo pra eu não estacionar o carro lá das 6:30 da mnhã até as 6:30 da tarde? E que da próxima vez que eu encontrar um papel com recado no meu parabrisa, eu vou entrar com ele enrolado naquele colégio… ops, chega, né?

Já mandei um e-mail semi-mal educado pra a moça, mas se quiserem aderir à causa eu fico feliz.

Grata!

 

Triiimmmm… triiiiimmmmm 7 de maio de 2010

Filed under: quase twitter,Zica — Dona Zica @ 11:32

Eu ODEIO a Prefeitura de Campinas que não atende os meus telefonemas e ainda coloca aquelas musiquinhas “a lá motel” de espera  (ad infinitum!)

Eu ODEIO a Prefeitura de Valinhos e o seu telefone constantemente ocupado. Certeza absoluta que o cretino que está sentado na mesa tirou o telefone do gancho pra não ser incomodado enquanto dá em  cima da secretária. Certeza!

 

Feliz dia das mulheres! 8 de março de 2010

Filed under: Vale mais que mil palavras...,Zica — Dona Zica @ 16:48

Independente do que isso possa significar…

E se você é daquele tipo de feminista que detesta o dia da mulher, yada, yada, yada, tem um monte de textos feministaqueimaosutien na net… Por aqui eu fico mesmo com esse cartoon bonitinho!

 

Terror movie 26 de fevereiro de 2010

Filed under: Cotidiano,Zica — Dona Zica @ 19:24
Tags: , ,

Acordei cedo e fui pro dentista. Mais uma vez quase dormi na cadeira (tenho essa característica: além de não ter medo de dentista, basta sentar na cadeira da Dra. Daniele que me dá um sono homérico, uma coisa quase que incontrolável).

Depois de fazer o que tinha que fazer lá (não é necessário dar maiores explicações, certo?) fui pro Cemitério da Saudade fotografar (parte da exposição que um dia sai… assim que a Prefeitura resolver me pagar! Ou seja, isso pode demorar muito ainda). Beleza, estava feliz da vida, adoro fotografar e realmente gosto de cemitérios (desculpem os que ficaram horrorizados, mas gosto mesmo. Mas só daqueles cemitérios cheios de estátuas, não gosto de cemitérios gramados, por uma questão – vamos dizer assim – artística da coisa toda).

Até aí, tudo bem, fui na administração, pedi autorização, chequei as condições de segurança (afinal, uma mocinha bonitinha (cof!) com uma câmera fotográfica grande e que chama atenção, apesar de já estar meio ultrapassada vira alvo fácil) e fui passear por lá. Tava rolando meio que um multirão de limpeza do  lugar, cheio de trabalhadores com vassouras, então fui recebendo vários “bom-dia” cordiais, enquanto olhava cada lápide, cada anjinho, cada capela.

Sei lá porque, acho que pelo encantamento pelo lugar que é lindo de verdade, saí andando sem olhar muito pra onde estava indo, até que…

Poft

Caí num buraco no meio do cemitério. Cena de filme de terror, não é mesmo? Tá, não caí inteeeeira dentro de um buraco, enfiei uma perna até a altura do joelho numa caixa de inspeção e fiquei de quatro porque não consegui (obviamente) manter o equilibrio.

Detalhe: fiquei de quatro na frente de um monte de garis do cemitério. Eles só deram umas risadas baixinho, até que foram gente boa, porque eu teria rachado o bico se estivesse na posição deles.

Achei que talvez os fantasmas não estivessem gostando das minhas fotos, então levantei, sacudi a poeira, catei os caquinhos do meu ego e saí como se nada tivesse acontecido.